[email protected] (048) 3307-1396
Nutrição
Quando receberei minha dieta? O que é cardapio?
24 de julho de 2014
0

O Planejamento alimentar ou como é chamado popularmente “cardapio”, é uma das ferramentas que podem ser utilizadas pelos nutricionistas na prática clínica. Ele não é a única ferramenta e em muitas vezes não é a ferramenta necessária e correta para o momento.

Alguns pacientes ficam muito ansiosos para receberem um planejamento alimentar, e não querem passar pela fase de reeducação alimentar e muitas vezes não valorizam-na. Isso é um GRANDE ERRO!

A fase de reeducação alimentar é extremamente importante para o sucesso na adesão ao planejamento alimentar, para aprender novos hábitos, aprender a administrar as situações do dia-a-dia (estresse, falta de tempo, festas, jantares), e se manter com um peso saudável no futuro.

Algumas pessoas querem ansiosamente começarem a sua “dieta”.

Pois bem, a palavra dieta tem origem na língua grega (díaita) e significa “modo ou método de viver, governar”. Queria dizer a maneira de viver, escolher seus alimentos (saudáveis ou não), individualmente ou orientada por um médico para melhorar alguma doença. Refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares, saudáveis ou não.

Logo, você não irá começar uma “dieta”, você sempre teve uma. O objetivo do acompanhamento nutricional, seja para emagrecimento ou não, é também a melhora da qualidade da alimentação e mudança de hábitos ruins*. Logo, se uma pessoa não tem bons hábitos alimentares, ela irá começar a seguir um cardápio saudável da noite para o dia? Irá conseguir seguir muito tempo? Como irá lidar com as mudanças e a rotina? Se esta pessoa não come nada de frutas, de que forma irei entregar um planejamento alimentar com frutas? E se ela come 200g de chocolate por dia, irei colocar isto no planejamento alimentar?

Devido a estas questões e a dificuldade que vejo os pacientes enfrentarem para mudarem seus hábitos, muitas vezes dedico um período de tempo somente a reeducação alimentar, para terem apenas que se preocupar em diminuir o consumo do refrigerante, substituir as frituras, melhorar o fracionamento das refeições, etc, de forma que consigam melhorar os hábitos para poderem então se dedicar a reduzir as quantidades de alimentos. Um passo de cada vez.

Em outros casos, os hábitos alimentares já são muito saudáveis, só é necessário orientações com relação as quantidades, modos de preparo, logo, este paciente poderá iniciar com o Planejamento alimentar ou cardápio logo no início do tratamento.

A reeducação alimentar, quando é feita isoladamente, visa estabilizar o ganho de peso, mudança de hábitos de forma menos traumática, adequação aos novos hábitos (se acostumar a levar lanches para o trabalho, comprar os alimentos, testar as receitas) e fazer uma redução pequena de peso.
Depois de passado o período de reeducação, fica muito fácil ver os benefícios. Ou seja, se você é acostumado com “dietas” de internet, tenha paciência e dedicação na sua reeducação, caso ela seja necessária.

Lembrando que conduzir uma reeducação alimentar com sucesso também exige estudo e dedicação do nutricionista, da mesma forma que a elaboração de um cardápio.

*Esse é o meu método de trabalho, sempre priorizo a melhora da saúde, não somente o emagrecimento ou a forma física. Procuro a melhor forma de contornar as dificuldades que surgem no dia a dia de cada paciente, e que são muitas.

Abraços!

Cleo Luchini